Mais uma esperança: piggyback

By | Setembro 29, 2013

Estávamos em Dezembro de 2008, tinha me sido indicado o uso de umas lentes rígidas que por mais que tenta-se não me conseguia adaptar e trabalhar sem lentes era um sacrifício. Andava ainda a tirar a carta e sem as lentes era impossível conduzir.

Tive assim durante esse mês uma consulta na clínica Oftamológica Ribeiro-Barraquer, foi a primeira vez que la entrei, mas fiquei logo satisfeito por todo o cuidado.

Clínica Ribeiro Barraquer

Fiz vários testes e exames, tinha os olhos demasiado secos, podia ser esse o problema de não me adaptar a lente rigida, foi visto pelo professor que me indicou estar tudo bem com os aneis de ferrara que tinha colocado para travar a doença.

Após essa consulta, tive outra poucos minutos depois com uma medica de contactologia.

A mesma esteve a ver a lente rígida e também não via nada errado, no entanto sugeriu uma técnica para conseguir suportar melhor a mesma.

O piggyback é o nome chamado a uma técnica no qual é colocada uma lente gelatinosa sem graduação no olho e por cima dessa coloca-se a tal lente rígida. Pode parecer estranho duas lentes no mesmo olho, mas quando a medica mas colocou para testar posso dizer que tive muito melhor conforto. Estive la o dia todo a efetuar mais exames para ver se estava tudo bem e a medica recomendou experimentar este método, receitou me uma caixa de lentes gelatinosas da Acuvue Oasys e ir testando. Isto para o olho direito, para o olho esquerdo mesmo com lente rígida poucas melhorias teve, optou-se por não se colocar nada nesse olho pois a cornea já estava muito danificada dado o ceratocone avançado.

Assim vim embora com mais uma esperança, nem tudo estava perdido e com este método parecia ter finalmente 2 coisas em comuns: Ver bem e ter o mínimo conforto.

Os dias foram passando, comecei aos poucos a tentar usar assim as lentes de contacto e após uma semana já conseguia usar as lentes diariamente pelo menos durante o horário de trabalho.

Nunca tinha aguentado andar de lentes das 8 ate as 18 horas, como tal foi um grande passo.

Outra coisa que a medica me tinha receitado foi umas gotas de lágrima artificial de seu nome Hyabak, colocava varias vezes ao dia para refrescar os olhos e assim fui andando, sentia me bem.

Já em 2009 acabei de tirar a carta, sendo que conduzia sem qualquer problema usando as lentes de contacto.

É engraçado como estamos dependentes de um bocado de “vidro” para fazer a nossa vida toda!

Entre consultas de rotina e trabalho o ano de 2009 foi passando.

 

 

 

 

 

 

2 thoughts on “Mais uma esperança: piggyback

  1. Maria Manuela da Silva Leite

    Olá,

    também tenho o mesmo problema, mas foram-me recomendadas umas lentes que são a combinação das duas que referia, ou seja, meio semirigido e á volta gelatinosas. São espantosas porque aderem muito bem. Neste momento a marca que as comercializa é a Synergeyes. São um bocadinho caras e tem duração mais iu menos de 6 meses, mas valem a pena. Revolucionou a minha vida.

    Não sei se entretanto já tinha conhecimento, mas como hoje foi a primeira vez que vi o site, resolvi comentar.

    Atenciosamente
    Manuela Leite

    Reply
    1. flaviorodrigues Post author

      Ola, obrigado pelo comentário.
      Penso que já experimentei essas, ainda ando a colocar coisas “passadas” da minha vida aqui, ainda não cheguei ao presente, mas posso já adiantar.

      Actualmente já estou a espera do transplante para o olho direito. Ao olho esquerdo já o fiz em 2012.
      Ainda há bem poucos meses fiz vários testes de lentes e penso que testei essas também, mas nada me melhorou senão usar este método.

      obrigado, espero que va lendo e comente.

      obrigado,
      Flávio Rodrigues

      Reply

Deixar uma resposta